Adulto beats

Disfunção erétil ou impotência, qual a diferença?

A impotência, ou disfunção erétil é um problema comum, que afeta cerca de 20% dos homens (1 em cada 5).

A ereção é um fenômeno neurológico e vascular. O cérebro chegam estímulos pró-erétil e estímulos inhibitorios. O cérebro processa toda a informação e transmite as ordens ao pênis através da medula espinhal e os nervos erectores. Qualquer doença ou distúrbio que afete o cérebro, medula espinhal, nervos erectores e pudendos pode causar impotência.

A disfunção erétil pode ser orgânica (de origem física) ou psicológica (origem psicológica). Não obstante, em muitos pacientes com disfunção erétil de origem orgânica, é inserido um componente psicológico (ansiedade de desempenho) que a agravar-se.


A impotência orgânica é a mais frequente e ocorre por um distúrbio do pênis ou dos mecanismos relacionados com a ereção. Existem vários tipos de impotência orgânica:


a) Vascular


É muito comum. Ocorre quando chega uma curta sangue para o pênis (arterial) ou não se conserva adequadamente dentro dos corpos cavernosos (veno-oclusiva), existe um escape de sangue que impede de alcançar e manter a rigidez adequada.


As causas mais comuns de impotência vascular são: diabetes, hipertensão, aumento do colesterol, tabagismo e doenças cardiovasculares. Estes homens com fatores de risco cardiovascular, a disfunção erétil pode ser o primeiro sintoma de “sentinela”, de doença cardiovascular que progride com o tempo. Estes homens é necessário tratar os problemas de ereção e é muito importante corrigir estes factores de risco vascular, que podem desencadear um evento cardíaco ou vascular mais grave.


b) Neurológica


Ocorre quando há problemas na transmissão de ordens que o cérebro e a medula espinhal enviados para o pênis, através dos nervos erectores.


Produzem este tipo de impotência, diabetes, doenças da medula e as cirurgias realizadas por câncer de próstata, bexiga e reto (lesão de nervos erectores). Estes pacientes com causa neurológica têm problemas para iniciar a ereção e o tratamento é mais complexo.


c) ou Hormonal da glândula Endócrina


Quando o organismo produz menos hormônio masculino (testosterona) de que você precisa. A testosterona aumenta o desejo sexual, aumenta a frequência das relações sexuais e as ereções matinais. Um déficit de testosterona favorece a disfunção erétil.


d) Por medicamentos


Muitos medicamentos usados para o tratamento de doenças como a hipertensão arterial (especialmente beta-bloqueadores e tiazidas) ou a depressão podem afetar a função erétil. Os psicofármacos utilizados para tratar doenças do sistema nervoso costumam afetar a ereção.


e) Psicológica
A Disfunção Erétil Psicológica também é importante. A resposta sexual se origina no cérebro e depende de um equilíbrio entre os impulsos excitadores e impulsos inhibitorios dentro do Sistema Nervoso Central. O cérebro processa toda a informação que recebe e emite as ordens necessárias para que se inicie a ereção.


Nestes casos, o mecanismo peneano da rigidez é normal, mas a ereção é dificultada por problemas psicológicos que podem ser causados por ansiedade de execução (medo de não conseguir uma ereção, medo de falhar), problemas de casal, depressão ou outros problemas psicológicos. O estresse de qualquer tipo pode afetar o ato sexual.


Muitos pacientes podem ter inicialmente um componente vascular, o que produz uma disfunção erétil leve. É muito frequente que se inclua uma ansiedade de desempenho (medo de errar) que agrava a disfunção erétil.


A disfunção erétil pode ser um sintoma sentinela de alguma doença importante?


Existem fatores de risco vascular como hipertensão arterial, diabetes, tabagismo ou o aumento do colesterol que produzem lesões progressivas em todas as artérias do corpo. As artérias do pênis são menos diâmetro do que as artérias coronárias que irriga o coração e, muitas vezes obstruem inicialmente, as artérias do pênis.


Vários trabalhos têm demonstrado que os pacientes com risco vascular podem desenvolver-se inicialmente de uma disfunção erétil. Se estes fatores de risco não são corrigidos, a doença vascular avança e pode ocorrer um infarto do miocárdio e doenças vasculares no cérebro, no coração e em todas as artérias do organismo.


Neste sentido, é muito importante saber que a disfunção erétil pode ser um“sinal de alarme que nos avisa que as artérias estão se fechando. Quando um paciente com fatores de risco cardiovascular apresenta disfunção erétil deve consultar para prevenir doenças do coração.


Onde posso ir?


Se você acredita que tem problemas de ereção, deve consultar o seu médico. O médico de família pode oferecer-lhe uma orientação inicial.


O médico mais aconselhável para tratar a disfunção eréctil é o urologista especialista em medicina sexual, também chamado de uro-andrólogo.


No Instituto de Urologia e Medicina Sexual (Zaragoza) somos especialistas no estudo e tratamento integral do homem. Oferecemos um atendimento personalizado, com a máxima confidencialidade. O Dr. Rodríguez-Vela foi diagnosticado e tratado a milhares de homens com disfunção erétil há mais de 25 anos e oferece uma consulta personalizada e confidencial.


Como se pode diagnosticar a disfunção erétil?


Um urologista especialista em medicina sexual pode diagnosticar e tratar uma disfunção erétil com poucas provas. O diagnóstico e o tratamento devem ser individualizados, ou seja, personalizados para cada paciente e seu parceiro.


Uma boa história clínica (entrevista), realizada por um profissional experiente neste campo, é a pedra angular do diagnóstico. Esta boa história clínica, juntamente com a exploração física adequada, nos indica o tipo de impotência e a causa.


Além disso, nos permite avaliar o impacto psicológico que a impotência produz sobre o paciente e seu parceiro.


A entrevista com o paciente deve ser realizada em um ambiente calmo, sem pressa, e é muito importante analisar as expectativas e motivações.


A partir de sua história clínica e um uro-andrólogo especialista solicitará os exames de sangue mais adequados para cada paciente. Se a disfunção é acompanhado de uma diminuição do desejo sexual, é aconselhável realizar uma determinação de testosterona no sangue. Em muitos pacientes, não é necessário realizar a análise.


No Instituto de Urologia e Medicina Sexual (Zaragoza) esta avaliação básica (história, exploração e analítica) nos permite informar ao paciente que a causa de seu problema e oferecer-lhe o tratamento mais adequado.


Dispomos na nossa consulta de um equipamento de ultra-som e o efeito doppler , que permite-nos realizar um estudo detalhado dos vasos sanguíneos do pénis (eco-doppler dinâmico). Com esta técnica podemos avaliar o fator arterial (sangue que entra) e o fator veno-oclusivo (sangue que escapa). Este estudo eco-doppler é fundamental para distinguir entre causa psicogénica e orgânica.


Em poucos pacientes, especialmente em jovens, é necessário recorrer a testes muito específicas.


Ecocardiógrafo


O que tratamentos existem?


Atualmente, existem várias opções terapêuticas. O tratamento deve ser personalizado e as soluções são melhores quando se conhece a causa e é possível agir sobre ela.


Em pacientes com impotência de origem psicológico é fundamental um acompanhamento psicológico para falar de disfunção erétil, com ele e com o seu parceiro e ajudá-los a superar o problema. É muito importante acalmá-las e diminuir a tensão no relacionamento de casal. Se existe uma depressão ou um problema psicológico acusado pode ser necessário um tratamento médico.


Nos pacientes com disfunção erétil hormonal, existe um déficit de testosterona e respondem muito bem a um tratamento de substituição com esta hormona (ver secção diminuição do desejo sexual). Atualmente, em pacientes com déficit de testosterona, podemos gerenciar este hormônio em forma de gel, patch ou injeção.


Em pacientes jovens com disfunção erétilarterial devemos realizar um eco-doppler peneano focado em uma microcirurgia de revascularização peneana.


Em pacientes com factores de risco vascular (hipertensão, colesterol, tabagismo, diabetes) devem ser corrigidos estes fatores, para evitar que desenvolver uma doença cardiovascular grave (infarto do miocárdio, arteriosclerose, etc…). A correção desses fatores, melhora os problemas de ereção.


Existem diferentes tratamentos para pacientes com disfunção erétil. Deve considerar cada paciente o tratamento mais apropriado para a sua impotência, começando inicialmente, os tratamentos mais simples.


Os tratamentos atuais para a disfunção erétil orgânica dividem-se em:



  • 1ª linha: Medicamentos orais, ondas de choque e dispositivos de vácuo.

  • 2ª linha: Injeções intracavernosas, Alprostadilo em creme e intraurethral.

  • 3ª linha: Implante de uma prótese de pênis.

No Instituto de Urologia e Medicina Sexual, após um diagnóstico adequado, explicar ao paciente todos os tratamentos que existem, como atuam e quais as vantagens e problemas têm. De acordo com a opinião e preferências do paciente e de seu parceiro, fizemos o tratamento mais indicado.


As Guidelines da Associação Europeia de Urologia de 2015, atualizadas em 2017 indicam que os medicamentos orais e as ondas de choque de baixa energia são os tratamentos de primeira linha para homens com problemas de ereção.


Como funcionam os medicamentos orais?


Existem quatro medicamentos, que podem ser administradas na forma de comprimidos para tratar a impotência. São Sildenafil (Viagra®), Tadalafil (Cialis®), Vardenafil (Levitra®) e Avanafilo (Spedra®).


Agem bloqueando uma enzima específica do pênis (fosfodiesterase 5) e, desta forma, potencializam os mecanismos naturais da ereção. Como são potenciadores naturais da ereção, é necessário que haja estimulação sexual, para que funcionem.

Estimulação sexual contra a impotência

Figura 4. Mecanismo de ação dos fármacos orais


Estes inibidores da fosfodiesterase 5 oferecem bons resultados em mais de 70% dos pacientes e são bem tolerados. Funcionam melhor em pacientes com disfunção leve. Pelo contrário, são menos eficazes em homens com problemas para iniciar a ereção (cirurgia radical, neurológicos).


O são seguros os medicamentos para a disfunção eréctil?


Quando um urologista especialista em medicina sexual foi realizado um diagnóstico adequado e lhe recomendou um medicamento para a disfunção erétil, a presença de efeitos adversos é muito rara.


Estes medicamentos podem ocorrer: dor de cabeça, rubor, congestão nasal, dor de estômago, etc… mas, em geral, são leves e pouco freqüentes.


Estes fármacos (Sildenafil, Taldalafilo, Vardenafil e Avanafilo) por si mesmos, não produzem nenhum problema sobre o coração.


Os pacientes que tomam medicamentos que contêm nitratos (cafinitrina e patches) não podem tomar inibidores da fosfodiesterase 5, já que a sua associação pode produzir hipotensão.


O paciente não deve sexual para resolver sua disfunção erétil. Esses medicamentos são muito eficazes e devem sempre ser prescritos por um urologista especialista (uro-andrólogo) após um diagnóstico adequado e explicando com detalhe as instruções de como e quando tomá-lo.


Como funciona o gel e o muse intraurethral?


Alprostadilo é um medicamento no interior do corpo cavernoso é capaz de iniciar e manter uma ereção reforçando a via do amp cíclico. Ou seja, utiliza um mecanismo de ação diferente das pastilhas, é capaz de iniciar a ereção.


Existe um preparado de alprostadilo em forma de Gel (Virirec®) que é aplicado na ponta do pénis (meato). Além disso, existe um mini-supositorio (MUSE®) que, através de um aplicador se deposita no interior do canal da urina (uretra). Ambos medicamentos contêm alprostadilo que se absorve na uretra posteriormente passa para os corpos cavernosos e são capazes de iniciar uma ereção. O efeito adverso mais potente é coceira-ardor uretral.


Como funciona a injeção de alprostadilo dentro do pênis?


É uma forma de tratamento uma eficiência muito alta, superior a 90%. A injeção é realizada dentro dos corpos cavernosos com uma agulha muito fina (de insulina) e, embora possa parecer o contrário, não é dolorosa. A medicação que se utiliza é alprostadilo e é capaz de iniciar a ereção.


Para que a injeção intracavernosa funcione é fundamental que um médico experiente no tratamento solicitado a dose que deve ser feito e como consumir.


No Instituto de Urologia e Medicina Sexual (Zaragoza) usamos um programa de treinamento que facilita a aprendizagem da técnica de injeção com muito bons resultados.


Em pacientes com disfunção erétil grave que não respondem aos tratamentos orais a injeção em um tratamento muito eficaz e com poucas complicações, mas exige um aprendizado e uma supervisão médica especializada.


Como são as próteses de pênis?


A colocação de uma prótese necessária uma intervenção cirúrgica para colocar alguns dispositivos no pênis e no escroto. Os dispositivos de próteses ficam no interior do organismo, e quando o paciente desejar ativa da prótese, conseguindo uma boa ereção. Quando termina a relação sexual, a prótese pode ser desactivada e voltar ao estado de flacidez.


A figura 5 expõe-se o esquema de uma prótese de pênis:





Sobre o autor | Website

Meu nome é Marcelo Bueno, formado pela PUC em Jornalismo, sou casado e pai de 1 de um menino lindo. Fundei o Site Beats com o objetivo de ajudar as pessoas, pesquisando, testando e usando vários produtos mais comentados no mercado da saúde. Aqui você vai poder acompanhar todas as matérias que eu publicar sobre os suplementos e produtos digitais que eu posso recomendar aos leitores.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
Mais Acessados : Dermacaps | Megalizz | Whitemax | Phyto Power Caps