Doenças da Próstata: Hiperplasia e Câncer

O câncer de próstata não está se não se busca, já que só produz sintomas quando está muito avançado. No Instituto de Urologia e Medicina Sexual de Saragoça, aconselhamos que todos os homens com mais de cinqüenta anos revisar anualmente a sua próstata (exame prostático) para descartar a presença de câncer de próstata.


Lembre-se que um câncer de próstata diagnosticado em um estágio inicial (localizado) pode ser curada.


Quais são os fatores que favorecem o câncer de próstata?



  • Em primeiro lugar, a idade. O câncer de próstata ocorre geralmente a partir dos 50 anos e a sua frequência aumenta com a idade.

  • Antecedentes familiares: os homens com o pai ou irmãos que foram vítimas de um câncer de próstata têm um risco três vezes maior. Se na mesma família há 3 homens afetados, o risco é 10 vezes maior. Se os familiares que tiveram câncer de próstata têm sofrido em idades jovens (45, 50, 60 anos), maior o risco de câncer de próstata têm os homens da família.

  • Raça: afro-americanos têm o maior risco de câncer de próstata. Em seguida situam-se os brancos e hispânicos. Os asiáticos são os que apresentam menos risco de sofrer câncer de próstata.

  • Alimentação: O câncer de próstata é mais comum em homens com uma alimentação com alto teor em gorduras. O défice de Vitamina D favorece a ocorrência de câncer de próstata.

A quem recorrer para rever minha próstata?


O médico especialista em problemas da próstata é o urologista. No Instituto de Urologia e Medicina Sexual de Florianópolis, somos especialistas em Saúde Integral do Homem e realizamos um estudo personalizado e adaptado às necessidades de cada paciente.


Em homens com mais de 45 anos, na revisão integral valorizamos:



  • Se existe ou não um câncer de próstata

  • Se o crescimento é benigno, que sintomas clínicos produz no paciente e se é necessário um tratamento

  • Como afeta a próstata para a sexualidade

  • Como funciona a ereção

  • O nível do desejo sexual

O que é uma revisão da próstata?


A revisão ou verificação da evolução é simples, mas deve ser bom, de uma forma personalizada e em um ambiente confidencial.


É obrigatória a realização de uma boa história clínica por um urologista com experiência, dedicando o tempo necessário para que o paciente nos conte todos os seus problemas de próstata, sexuais, etc… A história clínica deve ser completado com uma boa exploração física dos rins, abdômen, bexiga, testículos e da próstata.


A realização de toque retal permite avaliar o tamanho da próstata e detectar se existem nódulos duros sugestivos de câncer. O toque retal não tem porque ser chato, se o urologista é feito com cuidado e sem pressa.


Além disso, a revisão básica da próstata deve incluir uma análise de sangue, determinando PSA (Antígeno Prostático Específico) e creatinina, (função renal) e uma análise de urina.


Em alguns pacientes, pode ser aconselhável a realização de outras provas: Ressonância Magnética Nuclear (RMN) de próstata, Estudo Select Mdx na urina, ultra-som, flujometría, resíduos, saúde, etc., O urologista deve decidir quais pacientes necessitam destes testes.


Como diferenciar um crescimento benigno e um câncer de próstata?


O diagnóstico inicial se vai basear na determinação do PSA (antígeno prostático específico) e em um Toque Retal feito por um urologista experiente.


O PSA é um marcador mais próstata-específico que câncer-específico, o que o torna imperfeito. Por exemplo, o PSA pode estar elevado em pacientes sem câncer de próstata, mas que apresentam uma próstata grande com hiperplasia prostática benigna, ou em pacientes com prostatite ou infecção de urina.


Não há níveis “mágicos” de PSA Total que nos permitam assegurar que um homem não tem risco de apresentar câncer de próstata. Em geral consideramos normal um valor de PSA total inferior a 4 ng/ml, mas os níveis de PSA devem ser avaliados individualmente e analisar outros fatores (idade, antecedentes familiares, o toque retal, o tamanho da próstata).


Além do PSA total, temos uma fração que é chamado PSA livre que nos permite calcular o quociente resultante de dividir o PSA livre e o PSA total. Quanto maior for a relação PSA livre / PSA total, mais possibilidades de que se trate de um crescimento benigno (HBP). Pelo contrário, quando o PSA livre é baixo e o PSA total é alto (relação PSA livre / PSA total baixo) maior será a probabilidade de câncer de próstata.


Em casos duvidosos podemos avaliar a velocidade do PSA (como tem vindo a aumentar com o tempo) e o chamado PSA densidade (consiste em dividir o PSA, o volume da próstata.


Também dispomos de testes mais especializadas: Ressonância Magnética Nuclear de multiparâmetros (RMN-mp) de próstata, o biomarcador urinário SelectMdx e o teste 4Kscore. Ver rubrica: Evitar biópsias de Próstata e o artigo Câncer de próstata: menos biópsias e mais eficazes


Uma Ressonância Magnética Nuclear (RMN-mp) realizada (radiologista especialista), o que permite detectar a presença de áreas suspeitas de câncer de próstata (PIRADS 4, PIRADS 5) e, nestes casos, deve-se considerar uma biópsia por fusão RMN-ultra-som.


Hashim e cols publicaram, na revista The Lancet, o estudo PROMIS (Prostate M R Imaging Study). Os resultados do estudo demonstraram que a RMN-mp é duas vezes mais sensível do que a biópsia clássica (guiada por ultra-som) para detectar câncer de próstata.


No estudo PROMIS, a RMN mp teve um valor preditivo negativo de 89% e permitia evitar biópsia de próstata 27% dos pacientes.


Ver rubrica: Evitar biópsias de Próstata e o artigo Câncer de próstata: menos biópsias e mais eficazes.


O Teste Select MDx que se realiza na urina emitida após uma massagem de próstata. Nesta urina são determinados dois bio-marcadores tumorais (HOXC6 e DLX1). No Teste Select MDx os resultados destes biomarcadores são combinados com parâmetros clínicos (idade, PSA total, volume da próstata, toque retal e antecedentes familiares de Ca P) e nos oferece uma pontuação que permite a você selecionar os homens com maior risco de câncer de próstata de alto grau.


Ver rubrica: Evitar biópsias de Próstata e o artigo Câncer de próstata: menos biópsias e mais eficazes.


Finalmente, em pacientes com suspeita de câncer de próstata (PSA elevado, o toque retal suspeito, RMN com áreas suspeitas de câncer de próstata, a prova definitiva que permite confirmar a presença de câncer de próstata é a biópsia da próstata.


O que é a biópsia de próstata?


Consiste em obter pequenas amostras de próstata (puncionando com uma agulha fina) e analisá-los ao microscópio (patologista) para saber com precisão se o crescimento prostático é benigno ou existem células malignas (câncer de próstata).


Existem duas técnicas para realizar a biópsia de próstata:



  1. Biópsia massa guiada por ultra-som (técnica clássica)

Guiados por ultra-som puncionamos da próstata através do reto para levar de 12 a 18 pequenos fragmentos de diferentes áreas da próstata. A imagem ecogáfica não permite distinguir as áreas suspeitas de câncer. Com esta técnica clássica se realiza um mapeamento da próstata, mas pode existir câncer de próstata em áreas não biopsiadas.



  1. Biópsia perineal guiada através de uma Fusão de ressonância magnética e ultra-som.

Se realiza inicialmente uma ressonância magnética da próstata e se detectam áreas suspeitas se oferece ao paciente a realização de uma biópsia prostática guiada por fusão de imagem de RMN-ultra-som.


A Biópsia perineal guiada através de uma Fusão RMN-ECO nos oferece uma informação mais precisa sobre as áreas suspeitas de câncer de próstata que devemos biopsiar. 59% dos homens que haviam realizado anteriormente 2 ou mais biópsias e tinham resultado negativas (Biópsias com a técnica clássica), ao realizar uma Biópsia perineal guiada através de uma Fusão foram diagnosticados de câncer.


Para mais informações consulte a secção: Biópsia de próstata por fusão RMN-ultra-som.


No Instituto de Urologia e Medicina Sexualde Saragoça, em pacientes com suspeita de câncer de próstata (PSA elevado, o toque retal suspeito) aconselhamos a realização de uma ressonância magnética da próstata e se existem zonas suspeitas realizamos uma Biópsia perineal guiada através de uma Fusão de ressonância magnética e ultra-som. Se o estudo de RMN é normal em muitos casos pode ser evitada a realização de uma biópsia de próstata. Em alguns pacientes, realizamos o Teste Select Mdx.


É importante saber se o crescimento prostático é benigno ou maligno?


É fundamental, importantíssimo. Se há um crescimento maligno (câncer) e é diagnosticada em fase precoce (localizado) pode tratar-se adequadamente, com excelentes resultados.


Se o câncer já cresceu fora da próstata (disseminado), pode ser controlada, mas não curada.


Por outra parte, se o crescimento é benigno, podemos indicar-lhe um tratamento para melhorar os seus sintomas miccionais.


Qual o tempo que devo revisarme?


Todo homem maior de 45 anos de idade, você deve consultar com seu urologista uma vez por ano.


Em homens com antecedentes familiares de câncer de próstata e em vasectomizados a revisão da próstata deve começar aos 40 anos.


O crescimento benigno pode malignizarse?


A hiperplasia benigna é um crescimento da parte central da próstata. Não obstante, ao redor da hiperplasia ainda existe tecido prostático periférico e pode desenvolver-se um Ca P..


A DOENÇA não está relacionada com o câncer de próstata e não aumenta o risco de câncer de próstata. Alguns homens com HBP podem desenvolver câncer de próstata. No entanto, como os sintomas são muito parecidos, é importante realizar um diagnóstico diferencial, como acabamos de descrever.


Como pode tratar a hiperplasia benigna da próstata?


Uma vez estabelecido o diagnóstico de HBP, a necessidade de utilizar ou não um tratamento depende da clínica deste paciente. Dispomos de medicamentos e cirurgias que podem aliviar e melhorar os sintomas que produz a DOENÇA.


O urologista deve explicar ao paciente as opções de tratamento:



  • Observação e revisões periódicas.

  • Tratamento Higiênico-Dietético.

  • Tratamento Médico.

  • Tratamento Cirúrgico (tratamento final)

Os pacientes com sintomas leves e não precisam de um tratamento. Nestes casos, é suficiente a revisão prostática anual e oferecer recomendações que podem melhorar os seus sintomas (diminuir a ingestão de líquidos a partir das 6 da tarde, para ir com frequência ao banheiro esvaziar a bexiga completamente).


Os pacientes com sintomas moderados podem melhorar significativamente com um tratamento médico. Existem quatro tipos de medicamentos para tratar a HBP:



  • Extratos de plantas (Fitoterapia).

  • Alfa-bloqueadores: são medicamentos que relaxam o músculo liso da próstata, de forma que diminuem a compactação da próstata exerce sobre a uretra e isso permite que a urina saia com mais facilidade. Melhoram os sintomas irritativos como os sintomas obstrutivos. Têm poucos efeitos adversos (astenia, alterações da ejaculação). Não reduzem o tamanho da próstata e não detêm a progressividade da DOENÇA.

  • Cialis 5 mg Melhoria simultaneamente os sintomas de próstata e a ereção de forma muito importante. É um tratamento adequado para pacientes que apresentam DOENÇA e disfunção erétil.

  • Inibidores da 5-alfa-redutase. São medicamentos que bloqueiam a ação da 5-alfa-redutase. Ao bloquear esta enzima não ocorre Dihidrotestosterona, e isso leva a uma diminuição do tamanho da HBP. Estes medicamentos se que retardam a evolução da DOENÇA mas apresentam efeitos adversos com maior freqüência, principalmente na diminuição do desejo sexual (20-30%) e disfunção erétil (10-20%).

  • Tratamento combinado (Alfa-bloqueadores + Inibidores da 5-alfa-redutase). Em pacientes com próstatas grandes e sintomas moderados ou severos, pode estar indicado um tratamento combinado. O alfa-bloqueador oferece uma rápida melhora dos sintomas e o Inibidor da 5-alfa-redutase produz lentamente uma diminuição do volume da próstata. Estudos a 4 anos, demonstraram que com esta parceria diminui o tamanho da próstata em 27% e a necessidade de cirurgia reduz em 50%.

No Instituto de Urologia e Medicina Sexual de Saragoça, de acordo com os sintomas clínicos, o tamanho da próstata, o PSA e a idade do paciente, recomenda-se o tratamento mais adequado. O tratamento médico da DOENÇA deve ser individualizado para cada paciente.


Os medicamentos são eficazes inicialmente, mas com o tempo, a próstata cresce e perdem a sua eficácia. Então é necessário passar para um tratamento definitivo através de cirurgia.


O que existem tratamentos cirúrgicos para a hiperplasia benigna da próstata?


Quando a próstata cresce, os sintomas se agravarem e não respondem aos medicamentos, neste momento, deve-se considerar a cirurgia prostática para remover o tecido hiperplásico e evitar que a bexiga e o rim são danificadas de forma irreversível.


A solução definitiva da HBP é a intervenção cirúrgica que pode ser feito através do canal da urina (endoscopia) ou através de cirurgia aberta


a) Laser verde (Green Light XPS) na próstata


A fotovaporización da próstata com o laser verde (Green Light XPS) de alta potência de 180 (W) é uma técnica muito segura, e é tão eficaz quanto a cirurgia tradicional da próstata. O paciente está internado menos de 24 horas, vai para casa sem sonda e pode retomar suas atividades normais em 2 dias, evitando esforços. O laser verde é recomendado para próstatas menores de 90 gramas.
A fotovaporización da próstata é realizado através da uretra e com energia laser vaporiza a HBP que comprime a uretra. Isto permite uma melhoria significativa dos sintomas


Ver secção Laser verde (Green Light XPS) na próstata em Carteira de Serviços


b) Vaporizacion de Próstata


A energia plasmoquinética é um grande avanço tecnológico que permite vaporizar e remover o tecido prostático benigno que obstrui o canal da urina. Se realiza com um cistoscópio através da uretra e através de um aplicador ocorre vaporização da próstata. Esta nova técnica produz um alívio dos sintomas imediatamente. Recomenda-Se para próstatas menores de 90 gramas.


As principais vantagens desta técnica são:



  • O sangramento é escasso

  • Estadia no Hospital 24-45 horas

  • Sonda da bexiga de 24 a 48 horas, dependendo do tamanho da próstata

  • Bom calibre saúde nada mais remover a sonda

c) R. T. U. de Próstata


É chamado de ressecção transuretral de próstata porque se introduz um aparelho através da uretra (canal por onde sai a urina). Sem necessidade de nenhuma incisão, através deste aparelho é extirpan múltiplos fragmentos do crescimento benigno da próstata.





Rate this post
Disfunção erétil: Tratamentos atuais
Doenças Sexualmente transmissíveis, o Vírus Papiloma Humano (HPV) e AIDS

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *